Dados mostram que mortes por HIV diminuíram nos últimos tempos

Dados mostram que mortes por HIV diminuíram nos últimos tempos

19 de fevereiro de 2021 Sem categoria 0

As notícias mundiais se concentram apropriadamente em conter a pandemia de COVID-19, assim que as primeiras vacinas forem disponibilizadas. No entanto, dados recentes mostram grande sucesso na luta contra um flagelo viral global diferente: o HIV.

Os tratamentos antivirais transformaram dramaticamente o diagnóstico de infecção por HIV ou AIDS de uma sentença de morte em uma doença crônica. Uma expectativa de vida normal não é mais incomum entre as pessoas que vivem com HIV.

E as medidas preventivas reduziram o número de pessoas infectadas. Desde o pico de novas infecções na década de 1980, o número de pessoas com HIV recém-diagnosticado nos Estados Unidos caiu em mais de dois terços.

Mortes devido à infecção pelo HIV continuam a cair

Um estudo publicado no Mortality and Morbidity Weekly Report de novembro de 2020 observou um progresso notável:

  • Entre 2010 e 2018, o total de mortes entre aqueles diagnosticados caiu em mais de um terço, de 19,4 para 12,3 por 1.000 pessoas.
  • De 2010 a 2017, as mortes relacionadas ao HIV caíram quase pela metade, caindo de 9,1 para 4,7 por 1.000 pessoas).
  • As taxas mais altas de morte relacionada ao HIV foram observadas entre pessoas que eram negras, pessoas que se identificaram como mestiços e pessoas que vivem no sul dos EUA.
  • Homens diagnosticados tiveram taxas de mortalidade ligeiramente mais baixas do que mulheres.

Os autores do estudo atribuem a queda nas taxas de mortalidade ao diagnóstico precoce e à melhoria do tratamento.

Ainda há muito espaço para melhorias

Embora o número de novos casos de infecção por HIV nos EUA tenha caído drasticamente na última década, os dados mais recentes de 2014 a 2018 sugerem que isso pode estar diminuindo. E nem todos têm acesso a testes de HIV ou aos tratamentos mais eficazes. Isso é especialmente verdadeiro para pessoas sem seguro saúde, boa nutrição ou outros recursos.

Como acontece com tantas outras condições, existem disparidades significativas de saúde entre as pessoas com HIV. Em todo o mundo, gênero, raça e geografia são importantes para determinar quem fica doente e quem recebe tratamento oportuno e eficaz. O fardo do sofrimento e da morte é suportado por alguns grupos muito mais do que por outros.

Embora os avanços na prevenção e no tratamento do HIV valham a pena comemorar, ainda há um longo caminho a percorrer antes de declarar vitória.

O que é possível fazer agora

É importante que pessoas que não têm HIV tomem medidas de segurança, como sempre utilizar camisinha nas relações sexuais e nunca compartilhar agulhas.

As pessoas que são portadoras do vírus devem ter acompanhamento médico para monitoramento e tratamento adequado. Vários medicamentos eficazes estão disponíveis, eles irão auxiliar na prevenção de complicações de infecções e reduzir o risco de transmissão para outras pessoas.

Caso o paciente esteja em dúvida, é importante fazer o teste para ser diagnosticado corretamente. Dados mostram que uma em cada sete pessoas não sabe que está infectada.

O resultado final

Desde o início da epidemia de HIV,  um enorme progresso foi testemunhado: os pesquisadores identificaram a causa e compreenderam como ela se espalhou, testes altamente precisos tornaram-se disponíveis, medidas de saúde pública foram tomadas para prevenir a propagação e medicamentos eficazes foram desenvolvidos.

No entanto, esse progresso levou muitos anos. E ainda não existe uma vacina para prevenir a infecção pelo HIV. Novas infecções e mortes relacionadas permanecem muito comuns e as disparidades de saúde persistem na luta contra o HIV.

A experiência com o HIV demonstrou o quão perigosa pode ser uma nova doença infecciosa contagiosa, mesmo em locais com cuidados médicos altamente sofisticados – uma verdade destacada mais recentemente pela pandemia COVID-19.

Existem, sem dúvida, muitas lições a serem aprendidas com doenças infecciosas anteriores, incluindo HIV, SARS, MERS e Ebola. Mas as lições podem ser em ambos os sentidos. Talvez as maneiras como a COVID-19 é combatida – incluindo a criação de novas vacinas – possam ser aplicadas ao HIV.

Esperançosamente, o progresso na luta contra o HIV/AIDS continuará, talvez até sua eliminação. E o que foi aprendido com a infecção pelo HIV ao longo de várias décadas, e com a COVID-19 durante o ano, deve tornar a sociedade bem equipada para combater a próxima pandemia.

____________________________

O estudo original foi publicado no Centers for Disease Control and Prevention

* “Vital Signs: Deaths Among Persons with Diagnosed HIV Infection, United States, 2010–2018” – 2020

Autores do estudo: Karin A. Bosh, Anna Satcher Johnson, Angela L. Hernandez, Joseph Prejean, Jocelyn Taylor, Rachel Wingard, Linda A. Valleroy, H. Irene Hall – 10.15585/mmwr.mm6946a1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *