Estudo analisa ecocardiograma transesofágico pré-procedimento

Estudo analisa ecocardiograma transesofágico pré-procedimento

8 de junho de 2021 Conhecimento Médico Pesquisa Científica Saúde 0

Apesar da anticoagulação generalizada para pacientes com fibrilação atrial (Afib) antes da cardioversão e ablação por cateter, um ecocardiograma transesofágico pré-procedimento (ETE) ainda pode ser necessário para descartar um trombo no átrio esquerdo (LA) em algumas pessoas, de acordo com uma meta-análise.

Pelo menos 3 semanas de anticoagulação oral (ou seja, varfarina ou anticoagulantes orais diretos [DOACs]) não foi suficiente para excluir totalmente trombos de LA em pessoas com Afib ou flutter atrial, que ainda mostraram uma prevalência “não desprezível” de 2,73% desses coágulos no ecocardiograma transesofágico subsequente, relatou Jorge Wong, MD, MPH, do Population Health Research Institute da McMaster University em Hamilton, Ontario, e colegas.

Alguns grupos eram mais propensos do que outros a ter um trombo LA apesar da anticoagulação:

  • Pacientes com Afib não paroxístico ou flutter atrial: 4,81% vs 1,03% em pacientes paroxísticos
  • Pessoas submetidas a cardioversão: 5,55% vs 1,65% para aquelas submetidas a ablação
  • Aqueles com pontuações CHA2DS2-VASc ≥3: 6,31% vs 1,06% em pacientes com pontuações ≤2

“No geral, esses resultados sugerem que a ETE pode ser útil em pacientes selecionados com FA/AFL [Afib/flutter atrial], apesar da anticoagulação orientada por diretrizes antes da cardioversão ou ablação por cateter”, concluiu a equipe de Wong no estudo online no Journal of the American College of Cardiology.

“Felizmente, a anticoagulação oral contínua já produz baixas taxas de AVC periprocedimento. Com base nesta nova análise de dados existentes, o uso de imagens ecocardiograma transesofágico com base no risco em pacientes anticoagulados poderia permitir melhorias adicionais na entrega segura de intervenções de controle de ritmo em pacientes com Afib”, concordou Paulus Kirchhof, MD, e Christoph Sinning, MD, ambos da University Heart & Vascular Center Hamburg e do German Center of Cardiovascular Research, escrevendo em um editorial anexo.

A prática regional varia substancialmente, observaram os editorialistas: países como os EUA e a Alemanha realizam rotineiramente o ETE antes de todas as ablações por cateter, enquanto o Reino Unido e outros renunciam ao ETE pré-procedimento após algumas semanas de anticoagulação.

Detalhes do estudo

Wong e coautores realizaram uma meta-análise de 35 estudos observacionais. Os participantes constituíram uma população clinicamente heterogênea de 14.653 pessoas submetidas à ETE após terapia de anticoagulação.

As diretrizes recomendam apenas um mínimo de 3 semanas de anticoagulação oral antes da cardioversão ou ablação por cateter para excluir a presença de um trombo no AE que ocorre nessas intervenções.

“Esta duração mínima de anticoagulação foi escolhida empiricamente com base em estudos observacionais da década de 1960, que sugeriram que essa abordagem era segura e provavelmente resultaria na resolução do trombo do AE, se presente. No entanto, 3 semanas de anticoagulação podem ser insuficientes para resolver completamente o LA trombo em alguns pacientes”, disse Wong.

Mesmo assim, eles reconheceram que só porque um trombo LA está presente não significa que ele levará a um evento tromboembólico.

“Quando um trombo foi encontrado na ETE, o julgamento clínico levou ao adiamento do procedimento. Assim, o artigo não pode demonstrar que a presença de um trombo na ETE está relacionada ao AVC isquêmico periprocedimento”, disseram Kirchhof e Sinning.

Além do mais, os trombos de LA representam apenas um mecanismo para o início do AVC periprocedimento em pacientes Afib, observou o grupo de Wong.

Outra grande limitação da meta-análise, disseram os pesquisadores, era o potencial de confusão, dados os estudos observacionais incluídos.

___________________________

O estudo original foi publicado no Journal of the American College of Cardiology

Fonte: https://noticias.4medic.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *